PAINEL DO MERCADO PÚBLICO DE JOINVILLE

PAINEL DO MERCADO PÚBLICO DE JOINVILLE
PAINEL DO MERCADO PÚBLICO DE JOINVILLE - O.S.T. - 300 CM X 300 CM

SOBRE O ARTISTA- http://www.artistadoin.yolasite.com/

Doin Lambert Wilson was born in 1964 in Santos SP, currently resides in Joinville SC for over 40 years considers Joinville heart. His style is abstract figurative, began his search for art early drawing and painting with professors Hamilton Machado, luiz Si and Mario Avanchini, all of the House of Culture.
Doin today lives in his studio where he spends hours on end between canvas and brushes, half isolated glamur the world because my glamur is my production - more than 1000 jobs.
I am a worker of the art, we rarely know where they can go, they cross borders and cross oceans to delight eyes and minds of art lovers versus wants them from landing.
I am passionate about what I do and look forward pesquizador of form, color and texture. When something strikes me attention, I pause to observe the scene trying to capture the organiozação of its elements, the figure, the object, the volume, the colors, the textures, the short story to develop the plasticity of form. Use tools such as: finger, sponge, brush, spatula, forming a marriage between poetry and technique in painting.

Wilson Lamberto Doin nasceu em 1964, em Santos SP, atualmente reside em Joinville SC a mais de 40 anos que considera joinvillense de coração. Seu estilo é figurativo abstrato, começou sua busca pela arte bem cedo.
Hoje Doin tem uma galeria de Arte, onde passa horas a fio entre telas e pincéis, com uma produção - mais de 1000 trabalhos.
Sou um operário da arte, raramente sabemos por onde elas possam ir, elas cruzam fronteiras e atravessam oceanos para encantar olhos e mentes de amantes da arte ante quer que elas aportem.
Eu sou um apaixonado pelo que faço e um ansioso pesquizador da forma, cor e textura. Quando algo me desperta a atenção, detenho-me para observar a cena tentando captar a organização de seus elementos, a figura, o objeto, o volume, as cores, as texturas, enfim a história para elaborar a plasticidade da forma. Uso ferramentas como: pincéis, espátula, formando um casamento entre a poesia e a técnica no pintar.
....................T R A B A L H O S :
- painel do hospital são josé
- painel da maternidade darcy vargas
- painel do corpo dos bombeiros
-painel do colégio bom jesus
-painel do colégio santos anjos
- painel do colégio elias moreira
- painel do colégio nova era
- painel do colégio energia
- painel do colégio arte maior
- painel do colegio ccaa
- painel do cartório rodrigo lobo
- painel da empresa athetic
- painel da empresa volgelsanger
- painel da construtora incorposul - Ed. splendore
-painel da construtora incorposul - Ed. saint tereza
- painel da construtora incorposul - Ed. america garden
- painel da construtora incorposul - Ed. Accordes
- painel da construtora correia - Ed. platinum
- painel da empresa tv cidade
-painel da empresa fenster haus -claris tigre.
-painel da dona francisca choperia.
-painel do 62º batalhão de infantaria de joinville.
-painel do mercado público municipal de joinville.
-Painel da construtora incorposul - Ed. SONATA



sexta-feira, 25 de novembro de 2011

AMÉRICA GARDEN - INCORPOSUL · NOV/2011- PAINEL HALL ENTRADA


TÍTULO DA OBRA - ARVORE DA VIDA, ONDE CADA METADE SE UNE FORM
DÍPTICO - OLEO SOBRE TELA, MEDINDO 3 m X 1.5 m 
ANDO A FAMÍLIA E OS FRUTOS DESTA ARVORE OS FILHOS, E NO CENTRO FORMANDO O CORAÇÃO SIMBOLIZANDO O AMOR ETERNO.
.



                                  ENGª MARIANA NEVES - INCORPOSUL




quarta-feira, 23 de novembro de 2011

sábado, 19 de novembro de 2011

WILSON LAMBERTO DOIN - CORES DE DOIN - REVISTA PREMIER

Revista Premier







Ele veio para Joinville aos 12 anos de idade. E foi aqui que começou aperfeiçoar seu talento para as artes. A ligação de Wilson Lamberto Doin com a Manchester é tamanha, que passou a usar suas pinturas para homenageá-la e contar a história e tradições de seu povo. “Comecei a desenhar aos seis anos de idade, rabiscava tudo que vinha na frente. Mas ingressei mesmo nas artes aqui em Joinville, aos 14 anos, quando me matriculei na Casa da Cultura. Lá estudei por oito anos e tive o privilégio de ter professores maravilhosos como Hamilton Machado, Mário Avancini e Luiz Sí, foram esses artistas joinvilenses que me deram a base para desenhar, me ensinaram como pintar”, comenta.


Cada tela, uma história
Quem passou por alguns espaços públicos de Joinville certamente já pôde apreciar trabalhos do artista plástico. O painel de oito metros de comprimento por dois de altura na recepção do Hospital São José, por exemplo, é assinado por ele. Essa, aliás, foi a primeira oportunidade de fazer uma tela para um órgão público. “O convite foi feito em 2008. Foi um ano e meio de pesquisas em livros, fotografias e entrevistas com antigos funcionários até definir como seria o painel. Criei uma pintura como se fosse uma fotografia envelhecida, em tons de sépia.” A partir de então, vários pedidos surgiram. Veio o convite para a tela da Maternidade Darcy Vargas, para o Cartório Rodrigo Lobo, os colégios Santos Anjos e Bom Jesus, uma tela para a Incorposul, com pintura que retrata pontos turísticos de Joinville, com a Rua das Palmeiras, a Estação Ferroviária, entre outras obras. O próximo trabalho, que está desenvolvendo é para o museu do Corpo de Bombeiros da cidade, será entregue neste fim do ano. Além de um painel para o Mercado Municipal, também a caminho.
Arte figurativa 
“Não tem como fugir do seu estilo. Você pode até ser influenciado por outro artista, mas estilo é como uma digital. Um artista começa a ser conhecido quando ele agrada por causa das formas e cores de suas telas, quando identificam a obra por causa de seus traços”, comenta, ao mencionar que suas influências são nomes como Picasso, Kandinsky, Michelangelo e o brasileríssimo Oscar Niemeyer. “De nossa região, não posso deixar de mencionar o Hamilton Machado, que tanto me ensinou, e Juarez Machado”, completa. Para Doin, sua arte figurativa é uma maneira de levar alegria para as pessoas, esse deve ser o objetivo de todo artista. “Minha intenção é transmitir uma mensagem positiva. A arte tem que passar esperança, felicidade. Costumo dizer que um quadro é como uma música, você não precisa entender de partitura para apreciar, basta ser bem feita para fazer a pessoa se sentir bem. E isso não é uma utopia. Eu acredito que estamos aqui com uma missão, a minha é passar alegria por meio da minha ARTE'.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

WILSON LAMBERTO DOIN - CORES DE DOIN - REVISTA PREMIER

Revista Premier

www.revistapremier.com.br/

Arte figurativa “Não tem como fugir do seu estilo. Você pode até ser influenciado por outro artista, mas estilo é como uma digital. Um artista começa a ser conhecido quando ele agrada por causa das formas e cores de suas telas, quando identificam a obra por causa de seus traços”, comenta, ao mencionar que suas influências são nomes como Picasso, Kandinsky, Michelangelo e o brasileríssimo Oscar Niemeyer. “De nossa região, não posso deixar de mencionar o Hamilton Machado, que tanto me ensinou, e Juarez Machado”, completa. Para Doin, sua arte figurativa é uma maneira de levar alegria para as pessoas, esse deve ser o objetivo de todo artista. “Minha intenção é transmitir uma mensagem positiva. A arte tem que passar esperança, felicidade. Costumo dizer que um quadro é como uma música, você não precisa entender de partitura para apreciar, basta ser bem feita para fazer a pessoa se sentir bem. E isso não é uma utopia. Eu acredito que estamos aqui com uma missão, a minha é passar alegria por meio da minha arte”, diz.arte04

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

WILSON LAMBERTO DOIN - CORES DE DOIN - REVISTA PREMIER

Revista Premier

www.revistapremier.com.br/
Quem passou por alguns espaços públicos de Joinville certamente já pôde apreciar trabalhos do artista plástico. O painel de oito metros de comprimento por dois de altura na recepção do Hospital São José, por exemplo, é assinado por ele. Essa, aliás, foi a primeira oportunidade de fazer uma tela para um órgão público. “O convite foi feito em 2008. Foi um ano e meio de pesquisas em livros, fotografias e entrevistas com antigos funcionários até definir como seria o painel. Criei uma pintura como se fosse uma fotografia envelhecida, em tons de sépia.” A partir de então, vários pedidos surgiram. Veio o convite para a tela da Maternidade Darcy Vargas, para o Cartório Rodrigo Lobo, os colégios Santos Anjos e Bom Jesus, uma tela para a Incorposul, com pintura que retrata pontos turísticos de Joinville, com a Rua das Palmeiras, a Estação Ferroviária, entre outras obras. O próximo trabalho, que está desenvolvendo é para o museu do Corpo de Bombeiros da cidade, será entregue neste fim do ano. Além de um painel para o Mercado Municipal, também a caminho.

arte03

ARTISTA PLÁSTICO DOIN: CORES DE DOIN - REVISTA PREMIER

ARTISTA PLÁSTICO DOIN: CORES DE DOIN - REVISTA PREMIER: Revista Premier www. revistapremier .com.br Ele veio para Joinville aos 12 anos de idade. E foi aqui que começou aperfeiçoar seu talento par...

WILSON LAMBERTO DOIN - CORES DE DOIN - REVISTA PREMIER

Revista Premier

www.revistapremier.com.brEle veio para Joinville aos 12 anos de idade. E foi aqui que começou aperfeiçoar seu talento para as artes. A ligação de Wilson Lamberto Doin com a Manchester é tamanha, que passou a usar suas pinturas para homenageá-la e contar a história e tradições de seu povo. “Comecei a desenhar aos seis anos de idade, rabiscava tudo que vinha na frente. Mas ingressei mesmo nas artes aqui em Joinville, aos 14 anos, quando me matriculei na Casa da Cultura. Lá estudei por oito anos e tive o privilégio de ter professores maravilhosos como Hamilton Machado, Mário Avancini e Luiz Sí, foram esses artistas joinvilenses que me deram a base para desenhar, me ensinaram como pintar”, comenta.
 arte02